Canil é uma banda de rock alternativo formada no final de 2012 em Fortaleza-CE.

Apesar da influencia de bandas como Nirvana, Bush, Pearl Jam, Faith No More e Soundgarden, a banda opta por cantar em sua língua pátria, tomando cuidado especial com a matéria das letras, as quais geralmente tratam sobre relacionamentos bem como injustiças e desajustes sociais.

O rock simples e sincero da Canil dá vazão tanto à indignação com problemas coletivos quanto a reflexões de cunho emocional.

Canil - Single (2016)

  • 1 - Canil letra

    Quem jogou água no meu rock?
    Seja lá o que quer que eu toque, cuidado!
    Quem quis lavar meu canal sujo
    Pingou os i's do nome errado.

    Porque eu não sei viver, eu não sei viver assim.
    E os cães teimam em latir para a porta do canil se abrir.
    Eu nunca quis ir embora.
    Eu nunca quis saber se era a minha hora.

    Eu sei que essa rebeldia já não é mais uma fatia do mercado,
    e que as dívidas de agora são as promessas do passado.
    Mas eu só sei viver, ah eu só sei viver assim.
    Ninguém mais tem que chorar quando a porta do canil fechar.

    Eu assisti lá de fora consumindo o que sobrou.
    Como era bom quando eu pensava
    que todo o meu amor bastava.
    Bastava, bastava, bastava, não basta.

  • 2 - Dia letra

    Eu ainda me lembro dos votos do último dezembro.
    Eu ainda meço a frustração, polegadas apontadas para o chão... pro chão.

    O dia acabou e o mundo, quem diria, não deu voltas.
    Vadio, se você passa fome ou sente frio, quem se importa?
    Quem se importa? Quem se importa?

    Eu, que pensei ser livre, só estou preso do lado de fora.
    Eu, que pensei ser jovem, só estou aguardando mais demora... mais demora.

    O dia acabou e o mundo, quem diria, não deu voltas.
    Vadio, se você passa fome ou sente frio, quem se importa?
    Quem se importa? Quem se importa?

    Vadio, se você, que passou fome e sentiu frio, não importa...
    Um dia, ouve alguém bater lá fora e, quem diria, abre a porta...
    Pode ser que o mundo dê voltas.

Canil - EP (2014)

  • 1 - Bons e Velhos Estranhos letra

    Se o fel da solidão vem em pequenos goles de esperança,
    meu coração é um litro cujo fundo não se alcança.
    Como pode a figurante, tão distante que vira cenário,
    estrelar a trama de um otário como eu?

    Será Deus, será Deus, que a estranha nos meus sonhos,
    como eu, como eu, sonha com estranhos?

    Ei, estranha, eu sei o teu peito tambêm arranha,
    a vida é assim, mas não crave suas unhas logo em mim.
    Eu, que pago a penitência de morar na sombra da sua ausência.
    Saudade de te fitar com os olhos da cidade.

    Será Deus, será Deus, que a estranha nos meus sonhos,
    como eu, como eu, sonha com estranhos?
    Serei Deus eu nos seus olhos tão castanhos?
    Seremos ela e eu bons e velhos estranhos?

    Nada é real, nada é real, enfim...
    Triste é que, afinal, nada é mais real, pra mim.

    Será Deus, será Deus, que a estranha nos meus sonhos,
    como eu, como eu, sonha com estranhos?
    Serei Deus eu nos seus olhos tão castanhos?
    Estranhos.

  • 2 - Cana letra

    Segurei você pelo pescoço,
    girei sua cabeça gentilmente,
    encostei meus lábios na sua boca
    e senti no corpo uma onda quente.

    Mas, conforme o tempo corria,
    notei você mais e mais vazia.
    Agora com a cabeça cheia de você,
    Tudo que me resta é esquecer...

    que eu te flagrei no meio da roda com os garotão,
    entre latas e cigarros, passando de mão em mão.
    Transtornado, corro pra menina de quem sou afim,
    cuidando pra que ela não sinta seu perfume em mim.

    Quem sabe eu consigo, então, um pouco de atenção,
    e durmo feliz no fim do dia,
    sem sua companhia, nem menina, nem mulher,
    sÛ a vadia do primeiro que quiser.

    E eu brinquei, eu brinquei... na lama.
    E eu tomei, se tomei... cana.

    Eu desinfetei minha barriga
    e acordei na cama das formigas,
    depois de ter feito essa travessia vã
    da boca da noite ao cu da manhã.

    Analgésico pra alma, combustÌvel social,
    de quantas mijadas eu preciso até cagar o pau?
    Se minha vista turva borra as bordas da segregação,
    meus pés chutam a calçada e meus dentes mordem o chão.

    Porque as cenas que eu vi, na globo ou na MTV,
    na vida real nunca têm nexo.
    Porque, fora sexo e drogas, tão pouco restou
    do que eu conheci por rock'n roll.

    E eu brinquei, eu brinquei... na lama. E eu tomei, se tomei... muita cana. E eu brinquei, eu brinquei... na lama. E eu tomei, se tomei... cana.

    Cana, cana, cana, cana. Cana.

  • 3 - Heróis da Escória letra

    Em alguma igreja ou em algum bar,
    em alguma estrada pra qualquer lugar,
    em alguma festa cheia de gente vazia
    quem viu algum deles errar?

    Entre o bom jogo e a vitória,
    entre a grandeza e a glória
    nossos bons homens se perderam da história.
    Não há heróis na escória.

    Não, não me peça
    pra fingir sermos todos iguais.
    Não, não me peça
    pra fingir que tudo está em paz.

    Se a iniquidade é mesmo natural,
    e nos foi sorteada por igual,
    como, então, crer na paz se a própria justiça
    for algo artificial?

    Não, não me peça
    pra fingir sermos todos iguais.
    Não, não me peça
    pra esquecer dos nossos ideais.

    Não, não me peça
    pra fingir sermos todos iguais.
    Será que é possível
    ser quem somos e viver em paz?

    Em paz.
    Em paz.
    Em paz.

  • 4 - Deixar ir letra

    Adeus, adeus, adeus.
    Até algum dia.
    Chega o dia de dizer o que eu não queria.

    Vai, vai, vai.
    Vai, que não demora
    pra o que sempre foi depois virar agora.

    Vai,
    parte como o peito de quem fica,
    que hoje eu não posso te seguir.
    Vai que a saudade mais bonita
    é deixar ir.

    Adeus, adeus, adeus.
    Cumpre teu destino,
    que o pra sempre hoje foi tão repentino.

    Vai, vai, vai.
    Leva teu sorriso,
    que onde quer que ele vá é o paraíso.

    Vai,
    parte como o peito de quem fica,
    que hoje eu não posso te seguir.
    Vai que a saudade mais bonita
    é deixar ir.

    Vai em paz, vai em paz.
    Vai em paz, vai em paz.

    Vai,
    parte como o peito de quem fica,
    que hoje eu não posso te seguir.
    Vai que a saudade mais bonita
    é deixar ir.

Canil é:

Contato:

  • canilbanda@gmail.com
  • (85) 9 9677.0727